Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amigos dos Animais

Este blog tem o intuito de ajudar os nossos leitores a entender melhor os seus animais.

Amigos dos Animais

Este blog tem o intuito de ajudar os nossos leitores a entender melhor os seus animais.

Digam lá da vossa justiça

Esta gata é mesmo linda não é?

Enquanto me vestia lá estava ela no seu poiso, a seguir-me com o olhar para todo o lado!

B1.jpg

B2.jpg

A Amizade do Trio Felino

O trio felino: Pepe, Gattuso e Tico.

O pequeno Tico está a ficar grande, vai fazer 4 meses na próxima sexta dia 27,

e já pesa 2 quilos e meio, é um guloso, come de tudo, está bem peludinho, muito fofinho, dá-se bem com os mais velhos.

Em Janeiro será esterilizado!

Não estão um mimo?

Keisha , a cadela que não percebeu que foi abandonada

keshia.jpg

Aconteceu no Canadá. Uma família alegou que  deixou de ter condições financeiras para cuidar da sua cadelinha de três anos e  deixou a mesma entregue numa clínica veterinária gerida pela   ONG Mighty Mutts.  Só que, a pobrezinha não percebeu que foi abandonada e está por isso, sempre á porta da clínica á espera que os  seus donos a vão buscar. Está a ficar triste e deprimida, tadinha.

“Keisha é uma espantosa menina, boa para adultos e crianças – ela vivia com uma criança que adorava. Ela também gosta de gatos mas, infelizmente, foi atacada no mês passado por outro cão e agora tem algum receio deles”, escreveu a instituição na sua página do Facebook.

Faz lembrar a história de Hachiko, aquele cão que não percebeu que o dono morreu e esperou por ele durante 10 anos na estação de comboios onde era habitual aguardar  pela chegada do dono. A história deu até em filme,e  já foi aqui mencinada no blog.

Os animais nunca abandonam os seus donos. Espero que esta cadelinha tenha a felicidade de encontrar uma nova família que lhe dê a atenção que ela precisa e merece...

As pequenas grandes conquistas

Percebo que vou mudando um pouco o mundo quando vejo que mudei quem me rodeia. 

Passei o fim de semana em clausura. Uma repentina gripe atirou-me para o sofá, a chá com mel, brufen e muitos lenços de papel. Ontem o namorado foi ao supermercado fazer as compras da semana. Quando chega diz-me:

- Olha, estava a Pravi a fazer peditório lá no hipermercado então comprei para lhes dar um saco de ração e um pote de lixívia.

E fiquei tão orgulhosa dele. Normalmente vou eu, ou os dois, ao supermercado. Normalmente quando vejo um peditório para uma associação animal, contribuo sempre. Eu própria já abdiquei de fins de semana para ir fazer esses peditórios. Sou das que anda com ração de cão no carro para poder alimentar um cão de rua esfomeado. Sou a que tem ração e água sempre disponível no terraço para os gatos vadios. E estes meus pequenos gestos podem não salvar todos, podem não mudar o mundo, mas chegam aos que me rodeiam. E apercebo-me que há mais vizinhos a alimentar os animais (cães e gatos) que andam na rua, e vejo que o meu namorado de muitos anos não só é incapaz de deixar à sua sorte um gato bebé que encontrou na fábrica onde trabalha (o nosso Suki), como, mesmo sem mim, contribui para a causa animal nos peditórios nos supermercados.

Não é preciso muito para ajudar. Quando virem uma associação num supermercado, não é só ração/comida que eles precisam para os animais a cargo. Se não tiverem possibilidade de comprar um saco de ração, dêem outras coisas mais em conta, mas igualmente importantes para zelar pelos animais e pelo espaço onde estão. Deixo alguns exemplos:

- areia para gatos, tão importante e sempre esquecido;

- potes de lixívia para limpar o espaço;

- sacos do lixo;

- vassouras, esfregonas e pás do lixo (até podem ser usadas);

- mantas, tapetes, toalhas, cobertores (também podem ser usadas, daquelas que já não utilizam em casa por estarem velhas ou gastas);

- comedouros/bebedouros (aqueles tupperwares que andam em casa, perdidos, sem tampa, que já não usam, ou mesmo aquele tacho velho, sem uma pega, ou com o fundo manchado, dão para pôr comida aos animais num abrigo);

- camas para animais (o cesto da roupa está partido numa asa? um cão não se importa, e ganha uma cama);

- brinquedos e acessórios, como trelas, escovas, artigos de higiene;

- pipetas para pulgas;

- outros.

Nem só de comida precisam os animais. Claro que é a principal preocupação, a diária: garantir o alimento mínimo aos animais recolhidos, e não imaginam o desespero de uma associação quando vê o stock alimentar a reduzir drasticamente, tendo de racionar ainda mais as porções a dar a cada animal. Mas se puderem doar coisas que têm em casa que não usam, só vos ocupa espaço e o destino provável é o caixote do lixo, lembrem-se que aquilo que é lixo para vocês pode ser um luxo para estes animais. Se vos faz confusão doar dinheiro a associações de animais, ajudem com doações em géneros, alimentares ou não, ou então vejam com que clínicas veterinárias as associações trabalham e deixem lá um donativo para abater a conta da associação. 

Há tantas formas de ajudar. Algumas nem precisam de gastar dinheiro. Basta um pouco de tempo e dedicação.

Podemos não salvar todos, podemos não mudar o mundo, mas se cada um fizer um bocadinho, der um pouco de si, acreditem que é uma enorme ajuda a quem vive na constante preocupação de manter estes animais a salvo.

Cuidados Especiais para Gatos Idosos

Nós animais, quando entramos na fase da terceira idade, também precisamos de cuidados especiais, desde exames, consultas ao veterinário e muito carinho por parte dos nossos donos. Nesta fase da vida, as doenças mais comuns são: diabetes, doença renal, hepática, cardíaca, cancro, catarata, problemas dentários, hipotireoidismo e artrose entre outras.


A longevidade de um gato depende de bons cuidados com saúde por toda a vida.

gato-veterinaria.jpg

Dá arrepio nos meus bigodes! Por isso, o cuidado com seu gatinho e a visita ao veterinário é necessário para manter seu animal saudável.
Converse com seu veterinário para uma avaliação médica periódica.
O que seu animal ganha?

- A monitoração da saúde dos principais órgãos.

- Detecta transtornos geriátricos, antes que se tornem uma ameaça de vida.

- Garante o uso seguro de medicações, essencial para o estado de saúde dele.

Mas quando você deve realizar esses exames? Lembrando que, se você tem um animal mais novo, mas que apresente algum sintoma abaixo, é preciso levar ao veterinário também.


- Vômitos frequentes

- Ganho ou perda de peso

- Perda de apetite

- Alterações na micção

- Diarreias

- Convulsões

- Fraqueza, letargia, intolerância ao exercício ou brincadeira

- Problemas de pelagem

- Mudança de comportamento

- Tosse ou dificuldades de respirar

Tudo isso pode acontecer. Então, nada melhor do que sempre estar de olho em seu animal e nunca, nunca abandone seu bichinho no momento que ele mais precisa de você. Turrinhas felinas!!!

Aqui por casa temos o Pepe com 11 anos, ele é muito meiguinho e dependente de mim. Um gato muito carinhoso e mimado. Sempre que falamos com ele, responde sempre com um Miau!

Porque será que acontece?

Porque será que  o Riscas está há mais de um ano a perder o pelo, na zona da barriga, e agora também nas patinhas? Vejo-o  lamber-se e mordisca a zona, certamente causa-lhe alguma impressão. Gostava tanto de poder resolver esta questão. Já fui ao veterinário, já fez alguns tratamentos, já lhe dei ração hipoalergénica, já mudei de areia. A veterinária disse que deveríamos fazer uma análise, mas , também me disse que a mesma custa 160 euros. Mas assim, quem é que pode!?

Há quem diga, que o problema vai passar, e, que ele anda bem disposto, que não me devo preocupar.

Enfim, apenas queria ajudá-lo a ficar bem.

elamigo.JPG

acenar-pra-dona.JPG

10 Mandamentos da adopção responsável



1 - Antes de adquirir um animal, considere que seu tempo médio de vida é de 12 anos ( se for um cão ou um gato). Pergunte à família se todos estão de acordo, se há recursos necessários para mantê-lo, e verifique quem cuidará dele nas férias ou em feriados prolongados.


2 - Adote animais de abrigos públicos e privados (vacinados e esterilizados), em vez de comprar por impulso.


3 - Informe-se sobre as características e necessidades da espécie escolhida – tamanho, peculiaridades, espaço físico.


4 - Mantenha o seu animal sempre dentro de casa, jamais solto na rua. Para os cães, os passeios são fundamentais, mas sempre utilize coleira/guia e conduzido por quem possa contê-lo.


5 - Cuide da saúde física do animal. Dê abrigo, alimento, vacinas e leve-o regularmente ao veterinário. Dê banho, escove e exercite-o regularmente.


6 - Zele pela saúde psicológica do animal. Dê atenção, carinho e um ambiente adequado.


7 - Eduque o animal, se necessário, por meio de treino, mas respeite as suas características.


8 - Recolha e jogue os dejetos em local apropriado.


9 - Identifique o animal com chapa e registe-o na sua zona de residência, informando-se sobre a legislação do local. Também é recomendável uma identificação permanente (microchip).


10 - Evite as crias indesejadas de cães e gatos. Esterilize os machos e fêmeas. A esterilização é a única medida definitiva no controle da procriação e não tem contra-indicações.

Eles também são vítimas do terrorismo

Transcrevo palavras sentidas escritas na página de facebook: Movimento movido a 4 patas.


Aquela que dá a vida por ti. Sem pensar duas vezes.

Sim é a história da Diesel, cadela Mallinois, que servia na Policia Francesa. Imaginemos, o binómio que trabalhava com ela, fe-la acordar cedinho pela manhã, saíram os 2 como tantas outras vezes, e chegaram ao cenário onde se desenrolavam os acontecimentos. Uma série de idiotas barricados, cobardemente agarrados a metralhadoras e a cintos de explosivos. O binómio terá mandado Diesel pela última vez, buscar. Diesel, obdiente foi e tombou perante as balas disparadas por gente sem escrúpulos. Diesel salvou o seu binómio, a equipa toda que o acompanhava, alguns franceses, e até a ti e a nós. Diesel impediu que um sem número de gente morresse. Diesel deu a vida sem hesitar por nós. A pergunta ficará para sempre, se algum de nós teria alguma vez a bravura que Diesel demonstrou. A alma dela é agora também a tua porque nos salvou desta gente exacrável, que crê num qualquer Deus que os recompensará de matar inocentes. Obrigada Diesel, hoje também nós somos.. Diesel!


Ps: Recordem...perante a nossa lei, quem deu a vida por nós, é um objecto. Não um ser que compreende, sente e acaba morta desta forma por aqueles que ainda chamamos...gente (???!)


A história entristece-me, tal como me entristeceu os trágicos acontecimentos da passada sexta feira, 13 de Novembro. Os nossos amigos de quatro patas também são vítimas desta gente (???) vil, sem escrúpulos ou laivo de humanidade.

Fica a sentida homenagem a uma vítima que morreu no cumprimento da sua missão: proteger-nos. 


Video de um gatinho adotado

Encontrei este vídeo muito engraçado de um gatinho que foi adotado.

Gosto imenso do olhar carinhoso que o gatinho tem.

E teve um final feliz, ganhou uma família e uma amiga, a cadelinha.

 
 

Italianos resgatam cão em alto mar


Um grupo de um clube de náutica italiano navegava pelo Golfo de Nápoles quando encontrou um pequeno labrador a nadar.


 Um final feliz: O cão acabou por ser entregue ao dono.

Enquanto navegava ao largo de Nápoles, um grupo de italianos deparou-se com uma sítuação no mínimo estranha: encontraram um cão, sozinho, a nadar e sem barcos à vista.

O pequeno Noodles foi resgatado pelos membros do Yacht Club Circolo di Savoia, que procuraram logo aquecer o animal com os seus casacos. Massimiliano Cappa, diretor do clube, declarou a um jornal local que o labrador estava "visivelmente exausto" e que as pernas se encontravam "quase paralizadas com o frio".

Assim que chegaram a terra, os navegadores conseguiram perceber o que se passava.Noodles, de três meses, tinha caído, devido à ondulação, de um "ferry" que partiu de Nápoles em direção à ilha de Ischia, segundo reporta o jornal italiano "La Repubblica".
O dono ainda tentou resgatar o pequeno animal, mas a resposta que obteve por parte dos trabalhadores do barco foi: "Não podemos parar. Além disso, o cão já está morto".

Os membros do clube de náutica dirigiram-se às autoridades e foram capazes de encontrar o dono do cão, que o tinha dado como desaparecido nesse mesmo dia.

Pág. 1/3