Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amigos dos Animais

Este blog tem o intuito de ajudar os nossos leitores a entender melhor os seus animais.

Amigos dos Animais

Este blog tem o intuito de ajudar os nossos leitores a entender melhor os seus animais.

Amigos para a vida...

12241407_426618107538273_7095807746032379867_n.jpg

Olá! Venho com algum tempo finalmente presentear-vos com o meu primeiro post, e porque estou muito grata  por ter sido convidada a participar num espaço tão bonito, vou contar-vos a minha história e a do Mickey.

O Mickey é um yorkshire terrier que já vai fazer os seus 3 aninhos, na altura em que o adoptei estava desesperadamente a precisar de uma companhia e nunca tinha tido condições para ter um cão em apartamento, entretanto com as minhas poupanças a aumentarem consideravelmente pensei que me podia dar a esse luxo, a maneira como o conheci não foi a mais certa (comprei-o) fui até à clínica veterinária onde costumava tratar a sininho (a minha gata) e cruzei me com o Mickey minísculo e indefeso com apenas dias de vida, estava acompanhado com a dona que foi certificar-se que os pequenos estavam bem de saúde, aproveitei e falei logo com ela, fui apanhada desprevenida, apaixonei-me por ele entre as visistas que lhe fui fazendo e algum tempo depois percebi que podia ter adoptado um animal de um canil que estivésse em situação de risco, mas naquela altura como vos disse, só pensava desesperadamente em ter uma companhia e não pensei em mais nada.

3 meses depois estava ele em minha casa, sendo que como era o meu primeiro cão tive um montão de dúvidas que coloquei na clínica, pouco depois conclui que também só me queriam vender o mickey pois muitas das coisas que me disseram estavam completamente erradas (o que não é nada ético convenhamos), o mickey não foi um animal fácil de educar, na clínica fizeram-me um filme cor de rosa e a educação dele levou tempo e paciência ao contrário do que me passaram.

O motivo da minha necessidade de um amiguinho urgente, era o facto de estar muito magoada com a minha família, de estar numa fase emocional muito má e de me sentir abandonada por aqueles de quem mais gostava. Nessa altura também trabalhava como uma máquina, passava dias sem comer em frente ao portátil, os meus superiores tratavam-me muito mal (abaixo do desumano) e eu estava a deixar que a minha depressão se fosse transformando numa bola de neve muito perigosa.

Acabei por ficar doente e de baixa por 2 meses, e por isso consegui acompanhar o crescimento do Mickey e fui percebendo que os cães são realmente seres maravilhosos, se ficasse tempo a mais na cama la saltava ele para cima da minha cara e levava eu com o meu cumprimento matinal, era impressionante ver a alegria dele a sair de casa, sempre se deu bem com outros animais e cada vez que íamos passear juntos o mickey fazia questão de ser o centro das atenções, actualmente estou a viver numa casa maior, mas o melhor amigo do mickey ( e agora preparem-se para ficar surpreendidos) era um rotweiller que uma senhora muito simpática tinha acolhido em situação crítica e a quem dedicou todo o seu tempo e amor (outra história apaixonante). O Mickey fazia de tudo desde puxar-lhe a cauda, lamber-lhe o focinho e o Ruca olhava para ele como quem diz (olha-me este fedelho a tentar fazer-me frente), só sei que deixava se ficar e adoravam correr juntos, cada vez que se viam era uma alegria.

Passádos dois meses voltei ao trabalho e já não podia dar tanta atenção ao meu pequeno, as coisas estávam cada vez piores embora eu estivesse a fazer um esforço sincero por ser feliz, sem apoio de mais ninguém um dia deixei-me ir completamente abaixo e tentei-me suicidar, só depois percebi o acto egoísta que tinha tentado cometer sem ter pensado nos meus pequenos, lá fiquei mais uns dias de "baixa" e nessa altura nunca vi o Mickey tão em baixo, fiquei dias deitada na minha cama à espera que alguma coisa acontecesse e o Mickey não desapareceu do meu lado por um segundo que fosse...

Desde então prometi que não ía deixar mais os meus pequenotes sozinhos, este ano, numa situação limite, ter-me despedido deste trabalho foi a melhor coisa que fiz, a minha saúde está a melhorar, tenho mais tempo e mais qualidade de vida fora o "bullying" diário de que era vítima e que hoje não tenho mais.

Deixei que a situação fosse tão longe que tive de apresentar queixa contra a empresa para que trabalhava porque cheguei a ser alvo de ameças muito graves.

Quem diria que um pequenote como o Mickey me ía ensinar tantas lições:

O Mickey ensinou-me  a ter prazer em viver a vida, a querer sair da cama e a viver, a não levar as coisas tão a sério e a ser Feliz.

Neste momento estou com muitos projectos colocados em prática e posso-vos dizer que por muitas vezes, este pequeno patudo salvou-me e impediu que a minha depressão levasse a melhor.

Já tenho consultadas marcadas com uma psicóloga, porque apesar de estar bem acredito que preciso de pôr tudo em pratos limpos. Mas, amigos como estes...

Só mesmo os patudos, por isso e por mais é que eles merecem o nosso melhor, e era essa a mensagem que queria passar!